Concertos Participativos

8 e 9 de dezembro

Mais de 200 coralistas vão subir ao palco do Grande Auditório, nos dias 8 e 9 de dezembro, para cantar o Messias de Handel em mais uma edição dos Concertos Participativos. A larga maioria são amadores que estão a viver uma experiência inolvidável de participar num concerto incluído na temporada da Gulbenkian Música. Fomos espreitar um ensaio e falar com alguns dos protagonistas desta iniciativa que vai já na terceira edição.

Num sábado cinzento de novembro, ao início da tarde, dezenas de pessoas de várias idades começam a chegar à Fundação Gulbenkian. Entram sozinhas, aos pares ou em pequenos grupos, pela entrada principal ou pelo Jardim das Rosas, trazendo debaixo do braço uma partitura musical. Identificam-se à entrada, descem dois pisos e dirigem-se ao bar dos artistas, junto à sala de ensaios da Orquestra Gulbenkian. Aí procuram o seu nome nas listas divididas por naipes vocais colocadas sobre uma mesa.

Confirmada a presença, sopranos e contraltos entram numa sala e barítonos e tenores noutra. Era o dia do quinto ensaio do Concerto Participativo, dirigido apenas aos coralistas convidados. Agrupados por tipos de vozes, o maestro João Branco trabalha com os sopranos e os contraltos e Fátima Nunes, membro do Coro Gulbenkian, ensaia os barítonos e tenores.

Este ano, o número de candidatos a participar neste concerto ultrapassou as seis centenas. Após prestação de provas foram admitidos 220 coralistas. Desde o início dos ensaios, em setembro, esse número reduziu-se um pouco (há sempre algumas desistências) fixando-se atualmente nos 180 elementos: 100 mulheres e 80 homens.

Ao longo de quase duas horas, depois do período de aquecimento, os coralistas trabalham várias páginas da partitura. Maestro e maestrina, incansáveis, explicam como abordar as partes mais exigentes, fazendo o grupo repetir as vezes necessárias até se aproximar da excelência que se procura atingir. Mais tarde, depois de um breve intervalo, irão juntar-se todos na mesma sala para um ensaio agora dirigido por Paulo Lourenço, maestro assistente do Coro Gulbenkian. Os 180 coralistas só se juntarão ao Coro e Orquestra Gulbenkian nos ensaios finais depois de longas horas de trabalho com Paulo Lourenço e os restantes maestros assistentes.

 

 

A génese

Os Concertos Participativos inspiram-se numa iniciativa promovida pela Fundación La Caixa, de Espanha, que há mais de 20 anos realiza estes concertos em Barcelona, sempre com o Messias de Handel. Na Gulbenkian Música, a primeira edição deu a ouvir a Carmina Burana de Carl Off, mas a segunda já abordou a obra-prima da música sacra barroca, tal como a terceira, a realizar este mês.
O concerto, interpretado pela Orquestra e Coro Gulbenkian, juntamente com o coro convidado, será dirigido pelo maestro Victor Pablo Pérez, com a participação de Elisabeth Watts, Marta Infante, Emiliano Gonzalez Toro e José Antonio López, e terá lugar nos dias 8 e 9 de dezembro no Grande Auditório. Este mesmo concerto será tocado pelo Coro e Orquestra Gulbenkian no Palau de la Musica Catalana, em Barcelona, nos dias 12 e 13 de dezembro. Mantém-se o elenco de intérpretes mas, desta vez, subirá ao palco o Coro Participativo de Espanha.

Updated on 02 dezembro 2016