Nuno Coelho

Maestro

Nuno Coelho é o maestro assistente da Orquestra Filarmónica da Holanda, colaborando com o maestro principal Marc Albrecht nos concertos sinfónicos e na Ópera de Amesterdão. Na presente temporada dirige a orquestra em concertos no Concertgebouw e na Cellobiennale e dirige a Orquestra de Câmara da Holanda em colaboração com o violinista Gordan Nikolić.

Em 2016 foi selecionado para a Conducting Fellowship do Festival do Tanglewood Music Center, onde trabalhou com a orquestra do festival e assistiu os maestros convidados (Andris Nelsons, Charles Dutoit, Christoph von Dohnányi) nos concertos com a Orquestra Sinfónica de Boston.

Em 2015 foi um dos recipientes do Prémio Neeme-Järvi, atribuído pelo Festival Menuhin de Gstaad e foi convidado a dirigir a Orquestra de Câmara de Basileia. No mesmo ano foi aceite no Dirigentenforum, uma plataforma de formação e promoção de jovens maestros na Alemanha. Fundou a Phoenix Chamber Orchestra com estudantes de ambos os Conservatórios de Bruxelas, conjugando no mesmo concerto obras desde o Barroco até à música contemporânea em diversas formações. Dirigiu a ópera La Traviata na Ópera de Teplice (República Checa) e Cavalleria Rusticana na Ópera de Pilsen.

Nuno Coelho nasceu no Porto em 1989. Começou a tocar violino aos nove anos de idade, com João Paz e Pedro Fesch, ingressando mais tarde no Conservatório de Música do Porto, onde estudou com Andrea Moreira. Completou estudos superiores em Klagenfurt, na Áustria, e mais tarde no Conservatório Real de Bruxelas com Yuzuko Horigome. Como solista, atuou com a Orquestra de Jovens de Antuérpia, a Orquestra Sinfónica da Caríntia e, por diversas vezes, com a Orquestra de Câmara de Klagenfurt, tendo interpretado obras de Prokofiev, Ravel, J. S. Bach, Elgar e Pärt. Colaborou regularmente com orquestras profissionais na Áustria e na Bélgica, tendo atuado em diversas salas na Europa e no Japão. Atualmente estuda direção de orquestra na Universidade das Artes de Zurique com Johannes Schlaefli. Participou em master-classes de Bernard Haitink, Esa-Pekka Salonen, Neeme Järvi e Gennady Rozhdestvensky. É bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian desde 2014.

 

Março 2017

Updated on 22 março 2017